(Ouça a íntegra do programa aqui )

 

 

A história é sempre a mesma, quando um artista lança um 1o álbum muito bom, ficamos esperando anciosamente pela segunda fornada de criações na expectativa de que este supere o outro ou que grandes novidades cheguem aos nossos ouvidos. Se ela, ou ele, são adolescentes naquela transição para a fase adulta todos ficam mais atentos, afinal esse momento traz grandes modificações que influenciam todos os aspectos da vida. Com Lorde, a cantora neozelandesa que conquistou o mundo em 2013 com seu trabalho de estréia Pure Heroine, não foi diferente.

 

Lorde

 

Quatro anos após seu debut para o mundo Lorde está de volta com Melodrama, um disco que traz sim todas as mudanças por quais a moça passou entre seus 16 e atuais 20 anos. E não foram poucas, afinal para uma garota de Auckland, Nova Zelândia, que fazia suas músicas desprentenciosamente e de repente se viu lançada ao estrelato com direito a Grammy’s, shows, baladas pelos 4 cantos do mundo, a saída da casa da família e o término de um relacionamento, são muitas emoções em tão pouco tempo. Mas tudo isso serviu de inspiração e motivação para Melodrama, o tão aguardado 2º álbum da moça.

 

Melodrama

 

Melodrama é um disco que transita fácil entre o pop, o indie e o eletrônico, mantendo as características principais de Lorde que são a diversidade, a ousadia e o experimentalismo. E por falar em experimentalismo, não entenda – no caso de Lorde – como delírios intermináveis que nada acrescentam ao trabalho e ainda espantam o mais paciente dos ouvintes, pelo contrário a moça é bem coerente em suas viagens sonoras.

 

Lorde ao vivo e com a carga toda!

 

Em Melodrama Lorde contou com a produção de Jack Antonoff que soube criar ambientações, efeitos e arranjos que podem mudar em alguns compassos da euforia para um tom mais sombrio sem perder o equilíbrio ou sair da estética proposta no trabalho. Antonoff também deu a dose de brilho certa para a voz de Lorde, que pode-se dizer amadureceu bastante em suas interpretações.

 

Jack Antonoff

 

O repertório também é outro ponto alto de Melodrama. Uma sequência bem amarrada e coerente permeia todo o álbum em suas 11 faixas entre levadas mais dançantes e momentos mais sóbrios e estão lá Green Light, que abre o álbum com o astral nas alturas, The Louvre com sua pegada eletrônica, Hard Feeling/Loveless que em seus 6 minutos pula da leveza para uma batida rap sem cerimônia e Supercut que vai crescendo gradativamente até atingir seu ápice no melhor estilo de uma grande festa.

 

As faixas de Melodrama já ganharam vários vídeos bacanas 😉

 

Se você ficou curioso para conhecer Melodrama é só acessar as várias plataformas de streming espalhadas pela web, além do site da cantora, suas redes sociais e o canal do Youtube. Anote aí lorde.co.zn.

Até a próxima! 😀

 

Anúncios