(Ouça a íntegra do programa aqui)

 

 

Se tem uma coisa que parece nunca acabar para os integrantes do Rolling Stones é a energia criativa. Depois de rodar o mundo com sua mais recente turnê, a Ole Tour, que marcou presença em diversos estádios mundo afora, os rapazes do Stones lançaram, no dia 02 de dezembro, Blue & Lonesome álbum no qual a banda apresenta suas versões para clássicos do blues, principalmente aquele feito em Chicago entre os anos de 1940 e 1950.

 

Blue & Lonesome
Blue & Lonesome

 

Vale a gente lembrar que o Rolling Stones começou com uma banda de cover de nomes de peso do blues americano, que se apresentava em pequenos bares ingleses. O talento daqueles jovens chamou a atenção do mercado da música e o grupo estourou nas paradas de rádio com a voz rasgada de Mick Jagger e seu estilo todo particular de dançar. Os garotos do Stones eram o oposto dos Beatles, mas ambos marcaram definitivamente a história da música mundial. E como a gente sabe blues e rock andam de mãos dadas e sempre permearam as composições do Rolling Stones.

 

Stones do fundo do baú
Stones do fundo do baú

 

Blue & Lonesome é um álbum que traz aquela vibe bluezeira ao pé da letra. Já nas gravações os integrantes do grupo resolveram trabalhar no melhor estilo old school e o disco foi gravado em três dias no estúdio de Mark Knopfler, sim aquele mesmo – guitarrista do Dire Straits, o British Grove Studio.  Sem muitas firulas, a banda registrou Blue & Lonesome ao vivo, com todos juntos no estúdio dando asas a imaginação para os improvisos e solos de guitarra e gaita que o estilo pede. Por falar em gaita, Mick Jagger mostra em Blue & Lonesome que continua um gaitista de primeira, algo que a gente percebe em faixas como Just Your Fool de Buddy Johnson.

 

Mark Knopfler
Mark Knopfler

 

Mas o blues também pede aquela guitarra orgânica e improvisada e é aí que entram Keith Richards, Ronnie Wood e um convidado pra lá de especial que Blue & Lonesome ganhou, Sir Eric Clapton outro amante do blues e famoso por seus solos altamente criativos e pela sonoridade única de seus arranjos. A convivência de décadas faz com que Richards e Wood já saibam quais são as linhas de guitarra que melhor se encaixam com o estilo e a voz de Jagger, que permanece intacta mesmo depois de tantos anos de uso e trabalho intenso. Charlie Watts por sua vez mantém o compasso certo com a levada suave de sua bateria, o que faz uma cama perfeita para os clássicos do blues selecionados para este trabalho. E por falar neles estão lá Commit a Crime de Howlin’ Wolf, I Gotta Go de Little Walter , a faixa título Blue and Lonesome de Memphis Slim, além de tantas outras que vão deixar amantes do blues, fãs dos Stones e curiosos musicais em geral impactados com a força do 23º álbum dos Stones.

 

Sir Eric Clapton
Sir Eric Clapton

 

Vale muito à pena conferir Blue & Lonesome, o disco mostra que os Stones continuam fiéis ao estilo que eles tanto amam e que impulsionou sua carreira na distante década de 1960. Se você ficou curioso para conhecer Blue & Lonesome e saber mais sobre os garotinhos do Rolling Stones é só acessar rollingstones.com, está tudo lá vídeos, redes sociais, o aplicativo oficial da banda e muito mais.

Até a próxima! 😀