Hoje a gente vai voltar na década de 1970 para passear por um dos momentos mais “agitados” da música e que continua sacudindo pessoas de várias gerações, a Disco Music. O movimento sacudiu o mundo com músicas pra lá de dançantes e levou ao estrelato uma série de nomes que mudaram definitivamente a cara do pop.

 

Uma era cheia de cores
Uma era cheia de cores

 

Naquela época o mundo estava passando por mudanças que vinham impactando a sociedade e que teve seu início nos anos 60. Na América Latina a ditadura foi ganhando cada vez mais espaço, nos EUA Richard Nixon deixava o país em polvorosa com o escândalo de Watergate e na Inglaterra Margareth Tatcher se tornou a 1a mulher a assumir o posto de  Primeira Ministra Britânica na história. Já no mundo da música bandas como Deep Purple, Black Sabbath, Led Zepellin, Kiss e AC/DC levavam o rock ao topo das paradas e no Brasil ditadura, música de protesto e censura se cruzavam em um momento complexo da nossa história. E foi em meio a toda essa turbulência que surgiu a Disco Music, estilo que trazia arranjos grandiosos, um pegada funk e muito estilo, principalmente nos figurinos.

 

A Dama de Ferro era "um pouco mais conservadora"
A Dama de Ferro era “um pouco mais conservadora”

 

A Era Disco ganhou as pistas, o cinema e as TV’s do mundo em 1974, com o sucesso de bandas, e artistas, como Sister Sledge, Chic, Kc & Sunshine Band, Donna Summer, Blondie, Earth, Wind & Fire, Gloria Gaynor e tantos outros que estão presentes até hoje na memória de muita gente. Para aumentar a força do movimento dois eventos importantes aconteceram naquele período. Um deles foi a abertura da boate Studio 54 em Nova York frequentada por artistas de cinema, da música, das artes plásticas, da moda, sem falar nos príncipes e princesas que se renderam aos encantos da casa. Outro acontecimento igualmente importante, foi o lançamento do filme Os Embalos de Sábado A Noite que trazia em seu elenco os jovens John Travolta e Olivia Newton-John. Ou seja, à partir daí a Disco Music dominou as paradas de sucesso de todo o mundo.

 

Se você conseguisse entrar no Studio 54, iria encontrar com "esse pessoal"
Se você conseguisse entrar no Studio 54, iria encontrar com “esse pessoal”

 

O som era muito elaborado, arranjos bem construídos para os metais, vocais poderosos, guitarras funkedas, baixos com muito groove e a presença de instrumentos como o violino, que acredite, caía como uma luva nas composições. O Brasil, por sua vez, não ficava atrás nesta história, por aqui Lady Zu, Frenéticas e a novela Dancing Day’s ajudavam a Disco Music a conquistar as rádios, TV’s e pistas nacionais, com o mesmo padrão de qualidade musical.  Ah, e é importante lembrar, os figurinos…saltos plataforma, batas largas, calças boca de sino, decotes generosos, cabelo armados e maquiagens robustas que destacavam os olhos e as bocas das moças da época.

 

Dancin' Days
Dancin’ Days

 

Como não se lembrar de faixas como I Want Your Love do grupo Chic, On the Radio de Donna Summer, Heart Of Glass do Blondie, Fantasy do Earth, Wind And Fire e Celebration do Kool And The Gang? Em qualquer festa que rolar alguma música da Era Disco, a pista vai literalmente “bombar”. Afinal, quando o som é bom, ele não tem data de validade. Ficou com vontade de voltar no tempo e se jogar na Disco Music? Uma pesquisa rápida no Youtube e você vai encontrar verdadeiras pérolas.

 

Earth, Wind and Fire, big band mais disco impossível
Earth, Wind and Fire, big band mais disco impossível

 

E já que disco music boa é aquela que faz a gente cantar e dançar, você fica com Gloria Gaynor e a faixa Never Can say Goodbye.

Até a próxima!😀