Depois de um período de descanso Arnaldo Antunes soltou este ano Já É, álbum em que o compositor surge mais zen do que rock. Sua poesia continua transitando por temas e emoções captadas pelo seu olhar atento e cheio de sensibilidade. Arnaldo coloca cara a cara a dor e a indiferença, a alegria e a ingratidão, o acaso e a solidão e vai nos levando por um caminho feito de reflexões, sonhos e verdades. Já É é um daqueles apanhados poéticos-musicais que Arnaldo faz, e super bem, da realidade ao nosso redor. As férias foram positivas para Arnaldo Antunes e o rapaz brilhou em 2015.

 

Já É
Já É

 

Mariana Aydar se jogou de corpo e alma na arte refinada de Nuno Ramos e lançou Pedaço Duma Asa. De um lado a mulher que se tornou mãe, do outro um homem que perdeu a mãe. Mesmo em situações tão distintas, a arte falou mais alto e o encontro dos dois foi registrado com sutileza e sensibilidade. Ponto para o talento de Duani que ajudou a dupla a criar um disco que nos envolve faixa a faixa. Do diálogo entre música, artes plásticas e poesia nasceram canções com texturas diversas, mas que se completam perfeitamente. Em 2015 Marina Aydar abusou da criatividade e Pedaço Duma Asa foi um sucesso!

 

Pedaço Duma Asa
Pedaço Duma Asa

 

Quem também sacudiu o mercado musical este ano foi a cantora Ana Cañas com o disco Tô Na Vida. Este trabalho, que inaugura a nova fase da moça, traz 14 faixas autorais onde, sozinha ou acompanhada, Ana nos apresenta letras que tratam de temas como o  amor, a paixão, o universo feminino com suas alegrias e decepções e tudo que Cañas traz em sua alma criativa. O tom orgânico de Tô Na Vida, as interpretações intensas de Ana e a parceria certeira com Lúcio Maia fizeram do álbum um dos lançamentos mais bem recebidos por público e crítica em 2015. Ou seja, Ana brilhou e muito!

 

Tô Na Vida
Tô Na Vida

 

Gal Costa por sua vez invadiu a cena de 2015 com Estratosférica, 36º álbum de sua carreira onde a cantora já na capa mostra sua veia rock, com seus volumosos cabelos cacheados. Gal nos leva em um passeio pela versatilidade de sua interpretação em uma salada sonora típica daquelas cantoras seguras da força do seu canto. Em Estratosférica Gal Costa continua sua parceria com os novos nomes da MPB e este intercâmbio de gerações foi um verdadeiro presente para a música brasileira. Gal, Estratosférica, mais uma vez, sacudiu o universo da música nacional!

 

Estratosférica
Estratosférica

 

E para finalizar umas das cantoras mais inquietas da nossa MPB: Elza Soares, que mesmo após 50 anos de carreira ainda nos deixa impactados com seu trabalho. O álbum Mulher Do Fim do Mundo, passa pelos mais diferentes temas que envolvem o nosso cotidiano como a violência doméstica, o desejo, a difícil realidade das periferias, a vida de uma transexual no submundo das drogas e do crime, a urgência que permeia as relações nos dias de hoje e a vontade de Elza de cantar até o fim. Não há espaço para o meio-termo em A Mulher do Fim do Mundo e a cantora se entrega por inteiro em uma viagem sonora conteporânea com um discurso forte e atual. O prêmio de melhor álbum de 2015 concedido pela APCA ( Associação Paulista de Críticos de Arte ) foi pra lá de merecido e Elza Soares sem dúvida foi uma das artistas que mais brilhou neste 2015!

Taí, este foi nosso breve passeio pelo que rolou em 2015 na música popular brasileira e para gente fechar com chave de ouro, você confere aqui no Link Sonoro,  Elza Soares com a faixa Mulher do Fim do Mundo.

Até a próxima e um 2016 musical pra você !😀