Em 1995 o diretor John N. Smith lançou o longa Mentes Perigosas que trazia no elenco Michelle Pfeiffer no papel de  LouAnne Johnson, ex-oficial da marinha americana, que decide largar tudo para voltar a dar aulas de inglês. Indicada para uma vaga por um amigo, ela consegue o posto e sua primeira turma é formada por “alunos especiais”, ou seja, seu desafio era fazer com que estudantes totalmente desinteressados do aprendizado, vindos de comunidades carentes  e de diversas etnias, mudassem suas vidas através do saber e do conhecimento, segundo ela suas maiores armas para enfrentar uma sociedade tão desigual. A história é verídica e, acredite, LouAnne conseguiu seu objetivo!

 

Mentes Perigosas (1995)
Mentes Perigosas (1995)

 

Mas aqui no Link Sonoro o que nos interessa é a trilha sonora de Dangerous Minds, nome original do filme, onde o hip-hop é predominante, e com toda razão. Quando o estilo surgiu, na década de 1970 nos EUA, trouxe fortes críticas sociais a um sistema racista e nada igualitário. A filosofia do movimento era a de existirem disputas com base na criatividade e não na violência. Seus pilares eram – ou melhor, são – a música, o graffiti, a poesia e a dança,  o que abriu um leque de produção para artistas, em sua grande maioria jovens, para expressarem seus sentimentos e mostrarem sua insatisfação com aquele sistema oprimia de forma cruel a comunidade negra e das regiões periféricas das cidades.

 

hip-hop - o início
hip-hop – o início

 

Todo esse movimento mudou, e muito, a vida de milhares de pessoas. Após tantos conflitos sangrentos, falta de oportunidades e exclusão, a arte conseguiu criar um futuro com menos preconceito e descriminação. Ela, a arte, cumpriu sua função social e ainda nos trouxe um estilo e uma forma de se fazer cultura que invadiu o complexo mercado musical. Depois que a gente assiste Mentes Perigosas – que mesmo depois de 20 anos permanece atual, principalmente quando falamos das políticas públicas para a educação, do preconceito e da falta de interesse em oferecer uma grade curricular que construa cidadãos mais críticos da sua realidade – podemos entender porque o hip-hop é o norte para a trilha sonora do longa. Estão lá Coolio, Big Mike, Tre Black, Sista,Craig & Mack , além de gente como Wendy And Lisa e Immature, responsáveis pelas baladas  românticas.

 

Michelle Pfeiffer e Coolio
Michelle Pfeiffer e o rapper Coolio

 

Se você ainda não conhece a trilha de Dangerous Minds, ou ainda não assistiu o filme, vale à pena conferir! Michelle Pfeiffer dá um banho de interpretação ao som de muito hip-hop . Aqui no Link Sonoro você confere a faixa Gagsta’s Paradise com o rapper Coolio.

 

Até a próxima!😀