Desde que a música brasileira foi envolvida pela transformadora maneira de um baiano chamado João Gilberto fazer samba, todas as certezas musicais que permeavam a nossa sonoridade foram delicadamente alteradas. O ano era 1958 e o violão elaborado, a voz baixa e a cadência suave deram origem a um estilo que ganhou corpo e também o mundo. A bossa-nova. Mesmo com toda leveza, Chega de Saudade de João Gilberto caiu como uma bomba na cabeça de músicos e do público. E até aqueles que navegavam por outros estilos, se renderam a nova, complexa e harmoniosa forma do banquinho e violão.

 

João Gilberto - Chega de Saudade
João Gilberto – Chega de Saudade

 

Já se passaram anos, e muitos outros irão passar, e a bossa-nova continua sendo um dos símbolos musicais mais fortes do Brasil. E Gilberto Gil, como bom defensor da nossa música brasileira, prestou uma homenagem das mais elegantes não só a João e a bossa, mas também ao Brasil e sua história. Sim, porque justamente por ter nascido e crescido em um momento tão marcante do país, foi trilha sonora de fatos e acontecimentos inesquecíveis. E assim nasceu Gilbertos Samba, álbum mais recente de Gil que traz em seu repertório pérolas clássicas do universo da bossa-nova, além de duas novidades criativas do moço.

 

Os anos 50 foram marcados por  JK, presidente bossa-nova
Anos 50: marcados pelas várias mudanças de JK, o presidente bossa-nova

 

O fio condutor de Gilbertos Samba é a voz cristalina de Gil, seu violão limpo e melodioso, percussões bem colocadas e algumas surpresas como a sanfona, a guitarra e as batidas eletrônicas. O Pato, Desafinado, Desde Que o Samba é Samba, Doralice, Você e Eu e as inéditas Um Abraço no João e Gilbertos estão poeticamente organizadas em uma sequência impossível de se escutar somente uma vez.

 

Gilbertos Samba
Gilbertos Samba

 

Em Gilbertos Samba, Gil vem acompanhado – além da atemporal bossa-nova – da sonoridade conteporânea de Domenico Lancelloti, Rodrigo Amarante e Pedro Sá e da tradição musical de Dori e Danilo Caymmi. E para completar o time eclético e afinado, Bem Gil e Moreno Veloso põe a mão na massa e se encarregam de tocar a produção do disco. Tudo sob a batuta certeira de Gilberto Gil, que assina a direção musical.

 

Um banquinho e um violão. Afinal "o belo está no simples"
Um banquinho e um violão. Afinal “o belo está no simples”

 

Difícil citar aquele que seja o melhor disco de Gil, mas com certeza Gilbertos Samba vai entrar na lista de muita gente por aí.  E talvez na sua também, afinal – como disse lá em cima – é impossível escutar o novo álbum de Gil somente uma vez. Nossos ouvidos sempre pedem mais!

Aqui no Link Sonoro você confere Você e Eu.

Até a próxima!