Quando os integrantes do The Strokes anunciaram a data de lançamento de Comedown Machine e, de quebra, começaram a soltar algumas músicas para audição….fez-se o reboliço! O grupo liderado por Julian Casablancas sempre chama a atenção de mídia e público desde o início dos anos 2000. São 5 discos, e eles causam impressões das mais variadas. Alguns fãs não gostam da onda pop que o rock ganhou, outros  adoram as mudanças de sonoridade, já a banda : tenta achar caminhos novos para a sua criatividade. Buscar na comparação um norte para “sacar” o som dos rapazes é bobagem. Cada trabalho tem sua identidade, em alguns eles acertam, em outros nem tanto. E isso é normal  em tudo que criamos.

 

Comedown Machine
Comedown Machine

 

Em Comedown Machine, o Strokes continua seu passeio pelo mundo dos sintetizadores e das referências oitentistas. Às vezes acordam a veia rock e deixam as guitarras soltas e distorcidas. Em outros momentos, entram em sonoridades psicodélicas e melódicas. Os caras não tem o menor pudor em cruzar estilos, pelo contrário, referências e interferências são super bem-vindas em Comedown Machine. Tap Out abre o disco com uma levada dançante, apesar dos segundinhos de guitarra destorcida no início da canção. All The Time pula para alguns anos atrás e traz o Strokes que estourou mundo afora. E os sintetizadores tomam conta em One Way Trigger e trazem aquele clima de anos 80. Isso só pra começar. O álbum ainda traz o punk-rock em 50/50, o eletrônico hipnótico e lisérgico em 80’s Comedown Machine e a boa- e pop – balada em Slow Animals. Comedown Machine bebe de várias fontes e se mantém fiel ao conceito que o grupo definiu para o trabalho.

 

Strokes: sem rótulos
Strokes: sem rótulos

 

Mesmo que você ache que o The Strokes saiu um pouco da proposta inicial, vale à pena conferir Comedown Machine e ouvir o que os moços tem a dizer. Alguma coisa vai te agradar, já se quiser navegar no site do grupo é só acessar www.thestrokes.com .

E já que estamos falando de um disco cheio de estilos, aqui no Link sonoro você confere duas faixas. All The Time, um Strokes mais próximo das suas “raízes”, e 80’s Comedown Machine, uma viagem eletrônica cheia de psicodelia.

Até a próxima!

 

All The Time

 

 

80’s Comedown Machine