Sempre é bom dar uma revisada nos nomes que compõem a seleta lista dos considerados “gênios da música brasileira”, com certeza alguma coisa que nunca ouvimos ou que a muito tempo não passeia pelos nossos ouvidos vai saltar aos nossos olhos. Por exemplo, o multi-instrumentista, compositor, produtor e arranjador Egberto Gismonti. Um dos tesouros sonoros do nosso país, começou aos 6 anos seu envolvimento com a música ao iniciar seus estudos de piano e à partir daí ela nunca mais saiu da sua vida. Vários álbuns, composições para cinema, teatro e dança, apresentações aqui e no exterior, grandes parcerias e uma sólida carreira pautada pela qualidade musical. Podemos, sim, dizer que ele é o cara!

 

Egberto Gismonti, O Cara!

 

A discografia de Egberto é vasta e a diversidade de temas e estilos vem embalada em um misto de erudito e popular. E essa é a grande tacada de Gismonti, levar para o público ( grande por sinal! ) uma MPB elaborada e sofisticada, de maneira simples e direta.

 

Orfeo Novo

 

Dentro desta obra enorme do músico vale dar uma conferida no álbum Orfeo Novo de 1971. Gravado na Alemanha, o disco traz o então jovem músico inspirado e estão lá as faixas Salvador, O Sonho, Parque Lage e sua versão para Consolação e Berimbau (Baden Powell e Vinicius de Moraes). O disco traz as participações do baixista J.F. Jenny-Clark, o flautista Bernard Wystraete e a cantora Dulce Nunes. Orfeo Novo já mostrava que o mundo da música brasileira estava ganhando um dos seus mais inventivos representantes. Um álbum literalmente clássico e que merece uma audição atenta. 41 anos após seu lançamento, seus arranjos são uma verdadeira aula de música. Fica a dica para você relembrar ( ou conhecer ) a música genial de Egberto Gismonti.

Aqui no Link Sonoro você confere a versão de Egberto para Consolação- Berimbau de Baden Powell e Vinicius de Moraes.

Até a próxima!