Este ano Marina De La Riva soltou o 2º álbum de sua carreira e se tem uma palavra que descreve o novo trabalho da moça é : elegância. Em Idílio, Marina leva o público para um passeio por sambas, salsas, rumbas e boleros com sutileza. Cada faixa se encaixa na outra sem causar nenhum tipo de estranheza aos nossos ouvidos.

 

Idílio

 

Com a produção assinada por Pupilo, Pepe Cisneros e pela própria Marina De La Riva, o novo trabalho da cantora traz um clima retrô, com canções que vem do fundo do baú latino-americano. Muñeca, Voy A Tatuarme, Canción de Las Simples Cosas e Voy a Guardar Mi Lamento são algumas faixas que trazem a veia latina de La Riva. Filha de pai cubano e mãe brasileira (mais precisamente mineira), Marina mistura a melodia da ilha de Fidel dos anos 1930 a 1950 com a diversidade da MPB. A sua brasilidade melódica surge em Assum Preto, Juracy e Estúpido Cúpido. Ao todo, 14 faixas ricas e elaboradas. E não era pra ser diferente, além do canto refinado de Marina, Idílio tem a participação pra lá de especial de Raul Souza e seu trombone cheio de estilo.

 

A elegância de Marina transborda em sua interpretação

 

Idílio é uma ponte bem construída entre duas culturas bem parecidas em sua alegria e romantismo. Marina De La Riva sabe dosar nossas intensas emoções latinas e, sem exageros, navegar por mares caribenhos e tropicais, mostrando a beleza de nossas raízes sonoras. Para quem quiser se deixar levar pelo Idílio de La Riva é só acessar seu site www.marinadelariva.com.br, o álbum está lá na íntegra para audição. Boa viagem pelo universo latino de Marina.

Aqui no Link Sonoro você fica com duas faixas de Idílio, afinal temos de ir a Cuba e voltar para o Brasil. O sambinha Juracy (Antonio Almeida e Cyro de Souza) e o bolero Canción de Las  Simples Cosas (Armando Tejada Gomes e César Isella).

Até a próxima!