Pesquisar

linksonoro

um link e muitos sons

Jamiroquai – The Return Of Space Cowboy (1994)

Ouça a íntegra do programa aqui

 

 

O segundo álbum de um artista, ou banda, é sempre desafiador. Afinal de contas é aquele momento onde se define os rumos do trabalho. O que pode parecer um desafio, serviu de mola propulsora para o Jamiroquai lançar, em 1994, o álbum The Return Of Space Cowboy. Mas antes da gente falar deste disco de Jay Kay e cia vale uma volta no tempo para entender melhor o som de uma das bandas mais bacanas que surgiu nos anos 1990.

 

The Return Of Space Cowboy
The Return Of Space Cowboy

 

Apesar dos integrantes do Jamiroquai serem ingleses, foi na música americana que a banda encontrou seu norte sonoro. Jazz, funk, soul e rythm and blues formam a base para o swing modernoso proposto pelo grupo. Mas as influências não param por aí. Para criar o nome do grupo, por exemplo, eles juntaram duas palavras : Jam ( de jam sessiom ) e Iroquois, nome de uma tribo indígena norte-americana pela qual Jay Kay – vocalista do grupo – se diz identificar, tanto na linha de pensamento, quanto no respeito e cuidado com a natureza. Com certeza você já viu, em algum vídeo ou foto, Jay Kay e seu volumoso cocar. Ou seja, a influência dos Iroquois também pode ser vista no figurino do moço.  Surge assim Jamiroquai e sua salada soul-funk-indígena-modernosa que sacudiu o início dos anos 1990 com o single When You Gonna Learn? e com seu 1º disco Emergency On Planet Earth de 1993. Depois deste breve histórico a gente pula para o nosso disco da vez aqui no Link Sonoro : The Return Of Space Cowboy.

 

Emergency On Planet Earth
Emergency On Planet Earth

 

O segundo disco do Jamiroquai traz um som mais limpo, texturas sonoras mais trabalhadas, o tradicional mergulho na produção dos anos 1970 e faixas que transitam com tranquilidade pelo soul, baladas e pop-instrumental, que foram muito bem conduzidas pela interpretação cheia de estilo de Jay Kay. The Return Of Space Cowboy não só passou no teste do 2º álbum, como também conquistou de vez o mercado mundial, em especial o Japão, que possui um público ávido pelas produções sonoras feitas no ocidente. O disco traz em seu repertório hits como Space Cowboy, Half The Man, Scam e Manifest Destiny, todas com ares pop mas com arranjos super bem elaborados e funk’s melodiosos. Tanta criatividade levou o Jamiroquai a criar um estilo que torna seu som único. Bastam alguns segundos e a gente já reconhece de quem é a levada que está tocando. Ou seja, o Jamiroquai se tornou uma marca musical, e mercadológica, forte e conhecida em boa parte do mundo.

 

Jay Kay e seu volumoso cocar
Jay Kay e seu volumoso cocar

 

Se você não se lembra muito bem do repertório de The Return Of Space Cowboy, vale à pena correr atrás deste álbum e deixar se levar por cada acorde presente nas faixas. Com certeza você vai se deliciar!

Aqui no Link Sonoro você confere a faixa Space Cowboy.

Até a próxima!😀

 

Babe Ruth

 

Dizem por aí que recordar é viver, então nesta edição do Link Sonoro a gente volta na década de 1970 para passear pela obra de uma banda inglesa, que tem nome de jogador de baseball e passou como uma flecha pelo mundo do rock. Estamos falando do grupo britânico Babe Ruth que sacudiu a cena musical com sua psicodelia, apresentações incediárias e uma qualidade musical de primeira linha.

 

Babe Ruth
Babe Ruth

 

A história começa em 1971 quando o guitarrista Allan Shacklock formou o Shacklock, grupo que trazia no seu elenco Janita “Jenny” Haan (vocais), Chris Holmes (teclados e órgão), Dave Punshon (piano), Dave Hewitt (baixo) e Dick Powell (bateria) . Pouco tempo depois, e em homenagem ao lendário jogador de baseball Babe Ruth, o grupo mudou seu nome para…Babe Ruth e à partir daí eles estouraram nos Estados Unidos e Canadá. O primeiro álbum da banda, First Base, trazia em seu repertório um dos clássicos do Babe, The Mexican, além de uma versão para King Kong de Frank Zappa. Vale destacar a arte da capa do disco que traz um jogador de baseball intergalático – digamos assim – em alusão as rebatidas e arremessos de Babe, que é considerado, até hoje, um dos melhores jogadores deste esporte de todos os tempos.

 

Babe Ruth, O Cara!
Babe Ruth, O Cara!

 

A mistura de psicodelia, hard rock e rock progressivo era a marca principal do Babe Ruth, assim como de vários grupos daquela época. Mas a grande diferença da banda era a cantora Janita “Jenny” Haan. A voz da moça se encaixava como uma luva nas produções do Babe Ruth e ela sabia dosar na medida certa suas oitavas conferindo um peso ainda maior nos arranjos complexos e elaborados do grupo. Ao vivo a Jenny, uma moça de baixa estatura mas com uma força gigante, ocupava todo o palco com sua dança tão psicodélica quanto o som do Ruth. Isso tudo sem perder o fôlego ou desafinar, ao vivo e a cores e sem playback.

 

First Base
First Base

 

Como é comum acontecer com certas bandas, os desentendimentos, o cansaço e a convivência começaram a minar a relação entre seus integrantes e alguns nomes seguiram seus caminhos, outros músicos entraram na jornada do Babe e o grupo acabou fazendo aquela tradicional pausa de alguns anos, depois de uma bem sucedida discografia que inclui, além de First Base, Amar Caballero, Stealin’ Home, Kid’s Stuff – todos lançados na década de 1970 – e Que Pasa de 2007, disco que marcou o retorno do Babe mais de 30 anos após seu último trabalho.

 

Algumas décadas depois...
Algumas décadas depois…

 

Aqui no Link Sonoro você fica com o Babe Ruth e a faixa The Mexican em uma apresentação no Canadá em 1974. Do fundo do baú😉

Até a próxima!😀

 

 

 

 

Um bate papo com Teresa Cristina

Ouça  íntegra do programa aqui.

 

 

Em novembro de 2015 a cantora Teresa Cristina, ao lado de Carlinhos 7 cordas, levou para o público carioca um espetáculo onde todo o repertório passeava pela obra de Cartola. Teresa Canta Cartola foi registrado pela Uns Produções e Filmes e disponibilizado em diversas plataformas digitais.

Ela conversou com a gente no Link Sonoro e falou sobre seu novo trabalho, a emoção de mergulhar em uma obra tão importante, a ligação entre Portela e Mangueira, a importância de Caetano Veloso e Paula Lavigne para este trabalho e muito mais.

 

Teresa Cristina ao vivo
Teresa Cristina ao vivo em Teresa Canta Cartola

Blog no WordPress.com. | O tema Baskerville.

Acima ↑

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 869 outros seguidores